Carteira Capital

Balanço da Semana: Biden se aproxima da vitória e ações disparam

Samuel Torres, CFA06/11/2020

O assunto nesta semana parece que foi um só: as eleições americanas. Apesar de as votações terem terminado na terça-feira (3), até agora não temos um resultado definitivo.

Mas o que já sabemos é que grande parte dos “experts” em política e economia erraram novamente…

Primeiro que, de novo, a acuracidade das pesquisas foi baixa. Enquanto elas indicavam uma vitória com certa folga em relação a Trump, com a possível conquista pelos Democratas da Câmara dos Deputados e do Senado, a chamada “onda azul”, a realidade é que o resultado será muito mais disputado e possivelmente os Republicanos fiquem com o Senado.

Além disso, tinha muita gente falando que a possível “onda azul” com a vitória de Biden seria positiva, uma vez que isso facilitaria a aprovação de um novo grande pacote de estímulos (aquele que está sendo discutido entre Democratas e Republicanos há várias semanas), que daria um novo impulso à economia, ainda que o aumento do déficit americano tendesse a enfraquecer o dólar.

E o que aconteceu? Após o início da contagem dos votos, o cenário mais provável se tornou a vitória de Biden, mas com os democratas levando a Câmara e os republicanos o Senado. E as ações dispararam. O S&P 500, por exemplo, chegou a acumular alta de mais de 8% na semana!

Isso porque essa situação dificultaria a aprovação de um grande pacote, mas não impossibilitaria algum pacote menor e dificulta a aprovação de aumentos de impostos e de regulação das empresas de tecnologia, como desejado por Biden.

Novamente, provou-se muito difícil prever a reação do mercado no pós eleição. Como eu havia comentado na Carteira Capital, eu não via nenhum dos cenários possíveis como negativo, e por isso mantive a recomendação de alocação relevante em ações americanas.

Além disso, tivemos outros fatos importantes na semana.

Por aqui, tivemos a aprovação da autonomia do Banco Central pelo Senado. A medida seguirá para votação na Câmara. Tivemos também o dado da produção industrial de setembro, que veio acima do esperado. Já o IPCA de outubro veio levemente acima das projeções, sendo o maior valor para o mês desde 2002.

Nos EUA, foram divulgados os dados de emprego referentes a outubro, mostrando maior criação de vagas e menor taxa de desemprego do que o esperado.

Apesar do cenário de maior otimismo com o provável resultado das eleições americanas, é importante ressaltar que outros riscos permanecem.

Por aqui o risco fiscal ainda é o assunto mais relevante. Nessa semana, novamente, não vimos nenhum avanço nessa questão. Na verdade, a perspectiva fiscal piorou, pois o Congresso derrubou o veto de Bolsonaro à desoneração da folha de pagamentos.

No exterior, a segunda onda de covid-19 não deu trégua e o anúncio de novos lockdowns pode impactar negativamente os mercados.

No acumulado da semana, Ibovespa, Ifix e S&P 500 subiram 7,4%, 1,0% e 7,3%, respectivamente, enquanto o dólar desvalorizou 6,4% em relação ao real.

Atualização das nossas carteiras recomendadas

O mês virou e, como de praxe, atualizamos nossas carteiras recomendadas.

Com esse cenário conturbado, sugiro que você pare e analise seus investimentos. E para te ajudar nisso, aqui estão a Carteira CapitalCarteira de AçõesCarteira de FIIs e Carteira de Renda Fixa.

 

 

 

Disclaimer

Aviso legal

A presente publicação visa única e exclusivamente informar os leitores dos temas apresentados e divulgar as atividades da Capital Research, portanto não deve sob qualquer hipótese ser compreendida como oferta de negociação de títulos, valores mobiliários ou quaisquer outros instrumentos financeiros.

Determinados conteúdos produzidos pela equipe da Capital Research podem constituir "Relatório de Análise", conforme definido no artigo 1º § 1º da Instrução CVM 598/2018. Quando da emissão destes Relatórios, os Analistas de Valores Mobiliários responsáveis pela referida emissão e autores dos conteúdos publicados, declaram expressamente que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem estritamente suas opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma, declarando-se ainda responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.

As informações apresentadas nos relatórios foram baseadas em fontes públicas e consideradas confiáveis na data de publicação, e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação pela Capital Research e/ou analistas em relação a tais mudanças.

Os analistas poderão esclarecer dúvidas de seus leitores através de relatórios ou vídeos que serão enviados simultaneamente a estes, sendo sempre mantida e garantinda a isonomia de informações.

Ressaltamos que as decisões de investimentos devem ser realizadas pelo próprio leitor sob sua total e exclusiva responsabilidade. Os resultados e estatísticas anteriores NÃO devem ser interpretados como garantias de ganhos futuros, sendo que de nenhuma forma a Capital Research e seus analistas, expressamente ou implicitamente, garantem algum desempenho ou a ocorrência de ganhos.

Alguns instrumentos de investimentos podem não ser adequados para todos os leitores, uma vez que os relatórios emitidos pela Capital Research, não levam em conta a situação específica e individualizada de cada um, devendo a decisão final sobre a realização ou não do investimento, ser tomada exclusivamente pelo leitor.

A Capital Research poderá alterar o presente aviso legal sob seus próprios critérios, sem que isto implique em necessidade de qualquer comunicação prévia ao leitor.

“Os analistas de valores mobiliários autores do presente conteúdo declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/2018, que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma. Sob tal circunstância, ainda, os respectivos analistas se declaram responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.”