Finanças Pessoais

Tesouro Selic: ainda serve para reserva de emergência?

Samuel Torres, CFA13/11/2020

No começo de agosto publiquei um relatório explicando os investimentos que acredito serem os mais adequados para aplicação da reserva de emergência: Tesouro Selic e alguns fundos DI com taxa zero.

Esses fundos, em grande parte, investem no Tesouro Selic, de maneira que ambos os investimentos passaram a ser alvo de críticas quanto a seu uso como reserva de emergência, em decorrência da desvalorização do Tesouro Selic desde meados de setembro.

Preço do Tesouro Selic

Fonte: Tesouro Direto

Cotas dos fundos DI

Fonte: Mais Retorno

Desde o pico, foi uma queda de 1,3%. Nada demais. Mas foi muito para um investimento que deveria apenas se valorizar (a última vez que o Tesouro Selic havia apresentado desvalorização em um mês foi há 18 anos) e para quem não está acostumado em ver quedas em seus investimentos.

Afinal, faz sentido ou não manter a reserva no Tesouro Selic? Existem opções melhores?

Mas antes de partir para essas perguntas, acho bom esclarecer o que está acontecendo agora.

O que tem levado a essas quedas do Tesouro Selic é o alto endividamento do governo brasileiro, que foi potencializado pelos gastos adicionais decorrentes de toda a situação envolvendo o Covid-19, como o auxílio emergencial e os gastos relacionados a saúde.

Já comentei sobre esse assunto em alguns relatórios, sendo o mais recente esse aqui.

O que acontece é que o governo tem precisado rolar grandes montantes de dívida (emitir nova dívida para quitar aquelas vincendas). Os valores são tão altos que, aliados a taxas de juros na mínima histórica (principalmente no caso do Tesouro Selic), têm levado os investidores a demandar um deságio no preço do Tesouro Selic para aceitar aplicar nele. Isso porque um preço inferior implica um maior retorno esperado para o investidor.

Como visto no gráfico acima, parte da queda foi recuperada, em parte em decorrência de uma ação conjunta entre Banco Central e Tesouro Nacional, que alteraram a estratégia de oferta de títulos públicos e das operações compromissadas, limitando a frequência, prazos e valores de leilões de operações compromissada.

Mas isso não quer dizer que o Tesouro Selic não possa voltar a se desvalorizar. Entre janeiro e abril de 2021, por exemplo, R$ 643 bilhões, cerca de 15% da dívida interna, vencerá. Esse montante precisará, portanto, ser rolado, o que pode gerar novos impactos negativos nos preços dos títulos.  

Mas então, o que é melhor fazer? Vender o Tesouro Selic e resgatar os fundos DI e aplicar tudo na poupança? Num CDB de um banco digital que paga 100% do CDI?

Na minha opinião: não. 

Eu já falei essa minha opinião em outros meios, mas resolvi agora dar um pouco mais de explicação do porquê.

O principal motivo é o risco. Para mim, pessoalmente, risco é o fator mais relevante ao aplicar minha reserva de emergência. Claro que também olho retorno, mas esse fator é secundário.

E o que acontece é que, infelizmente, não existe um verdadeiro ativo livre de risco. Todo investimento tem seu(s) risco(s). Sendo assim, é preciso que cada um escolha os riscos que quer correr.

No caso do Tesouro Selic, o risco é de uma nova desvalorização, que, em minha visão dificilmente seria de escala mais significativa. E, é bom lembrar, que essa queda só de fato impacta seu bolso se você resgatar o dinheiro. Se o Tesouro Selic for mantido até o vencimento, o investidor não será impactado por essa desvalorização atual. Então só haveria real impacto no caso da ocorrência do imprevisto (é para isso que serve a reserva, então é um risco).

No caso da poupança, o risco que você corre é o risco de crédito, ou seja, do banco quebrar. Se for a poupança de um dos grandes bancos (Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e CEF), de fato o risco é bem baixo, além de existir o FGC. Contudo, apesar de não haver risco de rentabilidade negativa (exceto num evento de crédito), para cada aporte só é possível sacar em um dia específico do mês (data de aniversário), caso contrário perderá toda a rentabilidade acumulada desde a última data de aniversário. Além disso, sua rentabilidade é inferior à do Tesouro Selic.

Já no caso dos CDBs com liquidez diária (se não tiver liquidez diária, não serve como reserva), a lógica é parecida com a poupança, mas sem a existência da data de aniversário. Se você aplicar num CDB de um desses bancos supracitados, não há rentabilidade negativa e o risco de crédito será bastante baixo. Contudo, nem sempre esses bancos oferecem CDBs com liquidez diária com taxas atrativas. Então é o preço que se paga…

Caso você opte por CDBs de maior rentabilidade oferecido por bancos menores, como os bancos digitais que tenho analisado nas últimas semana, o risco de crédito já fica mais relevante. E mesmo que o FGC cubra um eventual calote, pode demorar para você efetivamente receber seu dinheiro de volta. Assim, além de ficar sem liquidez por um tempo, você perderá a rentabilidade do período.

Eu, particularmente, não gosto de utilizar CDBs desses bancos mais arriscados como reserva. Como já disse, para essa finalidade dou mais valor a baixo risco do que a alta rentabilidade. Prefiro ficar tranquilo com minha reserva em ativos de baixíssimo risco de crédito e poder utilizar o resto do portfólio para efetivamente ganhar dinheiro.

Disclaimer

Aviso legal

A presente publicação visa única e exclusivamente informar os leitores dos temas apresentados e divulgar as atividades da Capital Research, portanto não deve sob qualquer hipótese ser compreendida como oferta de negociação de títulos, valores mobiliários ou quaisquer outros instrumentos financeiros.

Determinados conteúdos produzidos pela equipe da Capital Research podem constituir "Relatório de Análise", conforme definido no artigo 1º § 1º da Instrução CVM 598/2018. Quando da emissão destes Relatórios, os Analistas de Valores Mobiliários responsáveis pela referida emissão e autores dos conteúdos publicados, declaram expressamente que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem estritamente suas opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma, declarando-se ainda responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.

As informações apresentadas nos relatórios foram baseadas em fontes públicas e consideradas confiáveis na data de publicação, e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação pela Capital Research e/ou analistas em relação a tais mudanças.

Os analistas poderão esclarecer dúvidas de seus leitores através de relatórios ou vídeos que serão enviados simultaneamente a estes, sendo sempre mantida e garantinda a isonomia de informações.

Ressaltamos que as decisões de investimentos devem ser realizadas pelo próprio leitor sob sua total e exclusiva responsabilidade. Os resultados e estatísticas anteriores NÃO devem ser interpretados como garantias de ganhos futuros, sendo que de nenhuma forma a Capital Research e seus analistas, expressamente ou implicitamente, garantem algum desempenho ou a ocorrência de ganhos.

Alguns instrumentos de investimentos podem não ser adequados para todos os leitores, uma vez que os relatórios emitidos pela Capital Research, não levam em conta a situação específica e individualizada de cada um, devendo a decisão final sobre a realização ou não do investimento, ser tomada exclusivamente pelo leitor.

A Capital Research poderá alterar o presente aviso legal sob seus próprios critérios, sem que isto implique em necessidade de qualquer comunicação prévia ao leitor.

“Os analistas de valores mobiliários autores do presente conteúdo declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/2018, que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma. Sob tal circunstância, ainda, os respectivos analistas se declaram responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.”