Fundos de Investimento

Carteira de Fundos de Investimento - Julho/2020

Rafael Amaral20/07/2020

Junho foi o terceiro mês seguido de boa recuperação dos preços de boa parte dos ativos de risco, após as grandes quedas vistas em março.

No ambiente interno, o cenário político foi bem mais tranquilo do que nos últimos meses, apesar da retomada do caso de Fabrício Queiroz.

Assim, os investidores ficaram mais atentos aos dados econômicos e à evolução do número de casos de Covid-19 para tentar traçar a trajetória de retomada das economias.

Enquanto, no lado econômico, os números parecem indicar que o pior momento já passou, no ponto de vista sanitário, a continuidade do avanço da pandemia, principalmente nos EUA e no Brasil, assombrou os investidores trazendo bastante volatilidade durante todo o mês. Com isso veio o receio de uma segunda onda de contágio pelo coronavírus, que poderia levar à necessidade de nova fase de isolamento.

Apesar de o pior momento da economia parecer ter passado, não quer dizer que a situação esteja boa. Durante junho, diversas instituições pioraram suas projeções da evolução dos PIBs em 2020 da maioria dos países.

Para ter uma noção, seguem algumas das novas estimativas para a retração do PIB neste ano:

PIB global:
– Banco Mundial: -5,2%
– OCDE: -6,0% (-7,6% se houver segunda onda)
– FMI: -4,9%

PIB do Brasil:
– Banco Mundial: -8,0%
– OCDE: -7,4% (-9,1% se houver segunda onda)     
– FMI: -9,1%
– Banco Central do Brasil: -6,4%

Dado esse cenário bastante negativo, EUA e União Europeia já começaram a discutir a possibilidade de novos pacotes de estímulos para que a economia se recupere mais rapidamente.

No Brasil, além de alguns dados não tão ruins quanto o esperado, tivemos um corte de 0,75 p.p. da taxa Selic, levando-a para 2,25% ao ano, com a indicação pelo Banco Central de haver ainda alguma possibilidade de mais um pequeno corte. Com isso, boa parte do mercado passou a prever uma taxa Selic de 2,00% no final de 2020.

Apesar das preocupações em relação a uma segunda onda, a possível continuação dos estímulos fiscais (gastos dos governos), taxas de juros nas mínimas históricas e um cenário de recuperação econômica possivelmente mais rápida do que o anteriormente esperado impulsionaram os investimentos de risco, principalmente ações. Em determinado momento no mês, o S&P 500 chegou a recuperar todas as perdas do ano ao atingir o valor do início de janeiro.

Olhando para a frente, os preços dos ativos já parecem embutir um cenário recuperação econômica relativamente rápida, que se frustrada poderia levar a novo recuo dos preços.

Por isso a importância de se manter uma carteira bem diversificada e a reserva de emergência em dia.

Importante destacar que recomendamos sempre o acompanhamento da carteira de forma global, compreendendo a dinâmica e características de cada classe de ativo.

No mês de junho, adicionamos duas novas estratégias em nossa carteira de fundos.

Incluímos fundos de ações que buscam rentabilidade através do investimento em empresas de menor valor de mercado. Detalhamos as características e os fundamentos para a indicação delas no nosso relatório “Bem-vindo às Small Caps?”.

Além disso,  também acrescentamos mais uma opção de fundo de ações no exterior. Confira em detalhes a indicação no nosso relatório “Quebrando Fronteiras”.

Lembrando que para ficar por dentro de todas as nossas análises e principais notícias que impactam seu bolso, basta se cadastrar na nossa newsletter, a Capital Now, neste link. Ah, ela é 100% grátis!

Sugerimos três alocações (conservadora, moderada e agressiva) para melhor atender aos diversos perfis de investidor. Confira abaixo:

Escolha o perfil da sua carteira:

Ativo Público-alvo Status para Captação Categoria Alocação do Ativo Retorno no Mês Retorno em 12 meses Retorno em 36 meses Volatilidade Taxa Adm. Taxa Performance Prazo de Resgate Aplicação Min. Inicial
Reserva de emergência 70%

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Simples 0.24% 4.84% - - - D0 500
Renda Fixa (Brasil) 7.5%

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.86% 0.23% 16.02% 0.99% 0.71% 20% s/ CDI D32 5000

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.81% 3.18% 19.35% 1.13% 0.75% D45 5000

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.98% -0.51% 15.92% 1.05% 1.20% 20% s/ CDI D45 5000
Renda Fixa (Global) 5%

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

Qualificado Aberto Renda Fixa Investimento no Exterior 2.67% 41.94% - - 1.57% D6 25000
Multimercados 12.5%

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 2.13% 3.87% 32.80% 7.97% 2.45% 20 s/ CDI D30 20000

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.94% 18.66% 51.70% 6.00% 2.00% 20 s/ CDI D31 5000

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.41% 6.94% 35.81% 4.62% 2.30% 20 s/ CDI D31 5000
Renda Variável (Brasil) 2.0%

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.72% 9.27% 128.34% 34.60% 2.00% 20% s/ Ibov D17 20000

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 14.75% 15.56% 126.29% 27.28% 2.17% 15% s/ Ibov D29 5000

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.71% 16.31% 98.52% 31.54% 2.00% 20% s/ Ibrx D32 5000

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.26% 1.46% 70.24% 30.38% 1.50% 20% s/ Ibov D32 20000

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 13.52% -2.52% 74.84% 31.74% 2.00% 20% s/ Ibov D32 5000
Renda Variável (Brasil Small Caps) 0.5%

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Investidor Geral Aberto Small Caps 10.21% - - - 2.0% 20% s/ SMLL D62 500

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Investidor Geral Aberto Small Caps 9.54% 15.48% 101.36% 32.49% 2.0% 20% s/ Ibov D33 1000
Renda Variável (Global) 2.5%

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Investidor Geral Aberto ETF 2.68% 52.00% 118.18% 22.26% 0.21% D2

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

Qualificado Aberto Ações Global 7.69% - - - 0.80% D6 5000
Ativo Público-alvo Status para Captação Categoria Alocação do Ativo Retorno no Mês Retorno em 12 meses Retorno em 36 meses Volatilidade Taxa Adm. Taxa Performance Prazo de Resgate Aplicação Min. Inicial
Reserva de emergência 60%

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Simples 0.24% 4.84% - - - D0 500
Renda Fixa (Brasil) 7.5%

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.86% 0.23% 16.02% 0.99% 0.71% 20% s/ CDI D32 5000

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.81% 3.18% 19.35% 1.13% 0.75% D45 5000

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.98% -0.51% 15.92% 1.05% 1.20% 20% s/ CDI D45 5000
Renda Fixa (Global) 5%

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

Qualificado Aberto Renda Fixa Investimento no Exterior 2.67% 41.94% - - 1.57% D6 25000
Multimercados 17.5%

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 2.13% 3.87% 32.80% 7.97% 2.45% 20 s/ CDI D30 20000

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.94% 18.66% 51.70% 6.00% 2.00% 20 s/ CDI D31 5000

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.41% 6.94% 35.81% 4.62% 2.30% 20 s/ CDI D31 5000
Renda Variável (Brasil) 4%

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.72% 9.27% 128.34% 34.60% 2.00% 20% s/ Ibov D17 20000

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 14.75% 15.56% 126.29% 27.28% 2.17% 15% s/ Ibov D29 5000

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.71% 16.31% 98.52% 31.54% 2.00% 20% s/ Ibrx D32 5000

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.26% 1.46% 70.24% 30.38% 1.50% 20% s/ Ibov D32 20000

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 13.52% -2.52% 74.84% 31.74% 2.00% 20% s/ Ibov D32 5000
Renda Variável (Brasil Small Caps) 1%

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Investidor Geral Aberto Small Caps 10.21% - - - 2.0% 20% s/ SMLL D62 500

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Investidor Geral Aberto Small Caps 9.54% 15.48% 101.36% 32.49% 2.0% 20% s/ Ibov D33 1000
Renda Variável (Global) 5%

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Investidor Geral Aberto ETF 2.68% 52.00% 118.18% 22.26% 0.21% D2

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

Qualificado Aberto Ações Global 7.69% - - - 0.80% D6 5000
Ativo Público-alvo Status para Captação Categoria Alocação do Ativo Retorno no Mês Retorno em 12 meses Retorno em 36 meses Volatilidade Taxa Adm. Taxa Performance Prazo de Resgate Aplicação Min. Inicial
Reserva de emergência 40%

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF

29.562.673/0001−17

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Simples 0.24% 4.84% - - - D0 500
Renda Fixa (Brasil) 10%

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.86% 0.23% 16.02% 0.99% 0.71% 20% s/ CDI D32 5000

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.81% 3.18% 19.35% 1.13% 0.75% D45 5000

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

Investidor Geral Aberto Renda Fixa Crédito Privado 0.98% -0.51% 15.92% 1.05% 1.20% 20% s/ CDI D45 5000
Renda Fixa (Global) 7.5%

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

Qualificado Aberto Renda Fixa Investimento no Exterior 2.67% 41.94% - - 1.57% D6 25000
Multimercado 25%

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 2.13% 3.87% 32.80% 7.97% 2.45% 20 s/ CDI D30 20000

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.94% 18.66% 51.70% 6.00% 2.00% 20 s/ CDI D31 5000

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Investidor Geral Aberto Multimercado Macro 0.41% 6.94% 35.81% 4.62% 2.30% 20 s/ CDI D31 5000
Renda Variável (Brasil) 5.5%

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.72% 9.27% 128.34% 34.60% 2.00% 20% s/ Ibov D17 20000

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 14.75% 15.56% 126.29% 27.28% 2.17% 15% s/ Ibov D29 5000

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.71% 16.31% 98.52% 31.54% 2.00% 20% s/ Ibrx D32 5000

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 12.26% 1.46% 70.24% 30.38% 1.50% 20% s/ Ibov D32 20000

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

Investidor Geral Aberto Ações Brasil 13.52% -2.52% 74.84% 31.74% 2.00% 20% s/ Ibov D32 5000
Renda Variável (Brasil Small Caps) 2%

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

Investidor Geral Aberto 10.21% - - - 2.0% 20% s/ SMLL D62 500

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

Investidor Geral Aberto 9.54% 15.48% 101.36% 32.49% 2.0% 20% s/ Ibov D33 1000
Renda Variável (Global) 10%

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

S&P 500 (ETF)

IVVB11

Investidor Geral Aberto ETF 2.68% 52.00% 118.18% 22.26% 0.21% D2

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

Qualificado Aberto Ações Global 7.69% - - - 0.80% D6 5000
O que mudou
Ativos Alteração

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

ENTRA

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

ENTRA

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

ENTRA

Reserva de emergência

Recomendamos que a parcela destinada à reserva de emergência seja focada em fundos de renda fixa que buscam acompanhar a rentabilidade do CDI e alocam apenas em títulos de baixo risco de crédito (títulos públicos ou operações lastreadas nesses títulos). Adicionalmente, fundos que tenham um custo baixo e consequentemente apresentem uma performance mais vantajosa aos cotistas.

Em nossa Carteira, atualmente recomendamos os fundos abaixo, que apresentaram performances acima da média da categoria:

  • BTG Pactual Digital Tesouro Selic Simples FI RF
    Aplicação Inicial: R$ 500
  • Órama DI Renda Fixa Simples
    Aplicação inicial: R$ 100
  • Pi Selic Renda Fixa Simples
    Aplicação inicial: R$ 30
  • Trend DI Simples
    Aplicação inicial: R$ 500
  • Vitreo Selic FI RF Simples
    Aplicação inicial: R$ 1000

Renda Fixa Crédito Privado (Brasil)

No mês de junho os fundos de renda fixa tiveram uma entrada de R$ 33,9 bilhões, sendo o primeiro mês no ano de captação positiva para esta classe de ativo. Em 2020, os fundos de renda fixa acumulam resgate de R$ 95,2 bilhões, enquanto a indústria registra saída de R$ 16,2 bilhões.

Entre os fundos da classe de renda fixa, o tipo grau de investimento foi onde se concentraram os resgates dos cotistas. Para se ter uma ideia, no ano, os fundos do tipo soberano que investem apenas em títulos públicos federais do Brasil tiveram uma captação líquida positiva de R$ 118,2 bilhões, enquanto os fundos classificados como investment grade totalizaram uma saída de mais de 335,0 bilhões no semestre.

Essa fuga indica que os investidores podem ter solicitado os resgastes devido a uma aplicação equivocada da sua “reserva de emergência” nesses fundos.

Embora no ano a maioria dos fundos de crédito local ainda apresentem resultados negativos, no mês vimos uma continuação da recuperação gradual dos ativos de crédito.

Em junho, houve uma continuação do fechamento dos spreads do mercado secundário de crédito.

O índice de debêntures IDEX DI, que inclui apenas as debêntures mais líquidas, criado pela gestora JGP, apresentou retorno de 2,09% no mês. 

Sparta Top FIC FI RF Crédito Privado Longo Prazo

14.188.162/0001−00

O Sparta Top é um fundo de crédito privado que busca superar a rentabilidade do CDI por meio de um portfólio diversificado em ativos investment grade, ou seja, títulos emitidos por companhias com relativo baixo risco de crédito.

No mês, o fundo teve resultado positivo com o fechamento do spread de crédito da maior parte da carteira, com destaque debêntures da Vix, Usiminas e Localiza. Em junho, o Sparta Top fechou o período com um retorno de 0,86%.

Em termos de concentração, a maior exposição da carteira é no setor de utilities, com 20%, enquanto o instrumento de maior alocação são as debêntures e notas promissórias que totalizam um pouco mais da metade do fundo.

No mês o fundo fechou com 130 emissores com a maior posição representando 2,4% do portfólio.

Nesse momento, a gestora permanece com um nível de caixa maior que a média histórica (24%) para aproveitar as oportunidades atraentes do mercado primário.

A Sparta entende que não estamos em um ambiente com risco de crédito significativamente maior para os emissores dos papéis do fundo e, com isso, espera o retorno da rentabilidade que foi impactada pela desvalorização dos títulos da carteira.

A gestora entende ser uma excelente oportunidade de entrada para novos investidores.

A expectativa de retorno para os próximos 12 meses é de CDI+4%, prêmio muito acima do histórico para um crédito privado grau de investimento.

Capitânia Premium FIC FI RF Crédito Privado

20.146.294/0001−71

Fundo de crédito privado que busca performance acima do CDI por meio de uma carteira composta por títulos privados de diversos segmentos e setores, o Capitânia Premium compõe um portfólio que mantém um bom perfil de risco e retorno.

O fundo fechou o mês de junho com um retorno positivo de 0,81%.

A performance foi impactada positivamente principalmente devido a melhora relativa dos ativos de crédito em decorrência da continuação do fechamento dos spreads dos papéis.

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito Privado

22.100.009/0001−07

O AZ Quest Altro é um fundo de crédito privado com o objetivo de superar o CDI investindo majoritariamente em debêntures de baixo risco de crédito.

Em junho, o fundo fechou o mês com um retorno de 0,98%, sobretudo pelas estratégias de debêntures e Offshore, que contribuíram com 0,91% e 0,26%, respectivamente.

As debêntures em CDI novamente tiveram uma boa recuperação ao longo do mês, com fechamento dos spreads de crédito da maioria dos ativos, além do carrego intrínseco mais alto com que a carteira está rodando.

Do lado negativo, a carteira de debêntures hedgeadas detraiu o resultado no mês, com uma contribuição negativa de 0,24%.

Em junho, 71,7% da carteira do AZ Quest Altro estava investida em debêntures, registrando um aumento expressivo de alocação quando comparado com o fechamento de abril, quando o fundo estava com 57,3% nestes ativos. Enquanto as debêntures aumentaram de forma expressiva na composição do fundo, a alocação em “caixa” diminuiu de 23,5% para 9,4%.

Neste mês, a gestora não atuou em ofertas primárias e participou mais em ativos no mercado secundário, focando na otimização do carrego do portfólio.

O fundo possui um retorno esperado muito acima do seu histórico, sem ter tido uma mudança do risco intrínseco dos papéis que justificasse o prêmio atual solicitado pelo mercado.

Lembrando que o carrego é a taxa média ponderada dos ativos do fundo e corresponde à expectativa de retorno.

A AZ Quest acredita que, além da estrutura de alto carrego, os ativos do fundo apresentam ainda uma perspectiva de recuperação dos preços com o fechamento dos spreads.

Renda Fixa Investimento no Exterior

Não foram apenas os ativos de crédito privado locais que sofreram impacto negativo devido à crise do coronavírus. De maneira geral, todos ativos globais de crédito privado sofreram e tiveram um aumento de spread em níveis que não ocorriam desde a crise financeira de 2008.

A queda dos preços dos ativos ocorreu em decorrência do crescente temor de uma disrupção da cadeia global de produção e da incerteza dos impactos econômicos causados pela expansão do vírus, fazendo com que investidores fugissem para ativos considerados de menor risco.

Em junho, os ativos de crédito global continuaram a recuperação das perdas ocorridas no início de 2020.

O índice Bloomberg Barclays Global Aggregate (sem exposição cambial) fechou o mês com um retorno de 1,62%.

O índice fornece uma indicação da performance dos mercados de renda fixa ao redor do mundo focado em ativos de grau de investimento.

Já o índice que serve de parâmetro para o mercado de títulos de renda fixa de grau de investimento dos EUA, Bloomberg Barclays U.S. Aggregate, fechou o mês com um retorno de 0,63%.

PIMCO Income Dólar FIC FIM IE

32.225.478/0001−06

O PIMCO Income Dólar é um fundo de renda fixa que busca alta geração de renda e retorno no longo prazo através de oportunidades em diferentes mercados com base em uma sólida análise macroeconômica.

O fundo Income Dólar investe no PIMCO GIS Income Fund, fundo domiciliado na Irlanda, com exposição cambial. Esta é uma característica importante do fundo, já que ele realiza seus investimentos em dólar, desempenhando um papel de proteção para o portfólio.

Em junho, o fundo conseguiu ter um retorno positivo de 2,67%, resultado da retomada parcial dos ativos de crédito.

Em termos de setores e ativos, o gestor está buscando se posicionar em ativos de menor risco. Na classe de ativos securitizados, a preferência é por tranches seniores. Já no segmento de dívidas corporativas, o setor financeiro é a aposta favorita da gestora.

O fundo fechou o mês com maior exposição aos ativos investment grade e securitizados, além disso se posicionou majoritariamente em títulos com duration de 1-5 anos e maiores que 10 anos.

Já em relação aos setores, as principais apostas continuam sendo nos setores de bancos e serviços financeiros com 19,4%, seguido por energia com 2,6%.

O time da Pimco acredita que no curto prazo o cenário é de um mercado de alta volatilidade com desafio de liquidez para os ativos de crédito. Quando analisado à médio prazo (6- 12 meses), a gestora acredita em uma recuperação global da economia em U-shape.

Multimercado Macro

Os fundos multimercados macro buscam rentabilidade através de oportunidades de investimentos fundamentados na previsão de variáveis e ciclos econômicos e em seus impactos nos preços dos ativos.

Fundos multimercados possuem políticas de investimentos que abrangem diversos fatores de risco, sem o compromisso de concentração em nenhum fator em específico (a não ser em casos particulares em que há alguma restrição pelo regulamento do fundo). 

Com a recuperação de diversas classes de ativos neste mês, nossas recomendações de fundos tiveram performances positivas.

Canvas Enduro III FIC FIM

13.106.979/0001−29

O Enduro teve resultado positivo 2,13%, ou 1.001% do CDI, no mês de junho, marcado como um período mais favorável para ativos de risco de maneira geral.

No mercado de juros local, os ganhos do fundo originaram-se com posições aplicadas em juros nominais na parte curta da curva e em posições em papéis atrelados à inflação na parte intermediária e longa da curva.

Também foram registrados ganhos em bolsa local, tanto via índice como na seleção de ações específicas. Similarmente, o mercado de bolsas internacionais também gerou contribuição positiva.

A estratégia no mercado acionário local contribui com 0,36%, enquanto o mercado acionário internacional entregou 0,63%.

A principal aposta do gestor para o resultado do mês, contribuindo com aproximadamente 1,38%, foi a estratégia construída no mercado de juros local.

No mês de junho, o fundo utilizou posições de compra de dólar como hedge da carteira e no acumulado o resultado em moeda local foi neutro.

Hoje, o fundo possui posições compradas em juros reais intermediários e longos além de posições aplicadas em juros nominais na parte curta da curva e em parcela menor, parte tomada também em nominal curto como hedge.

Já em relação ao mercado acionário do Brasil, a gestora acredita que existe uma oportunidade de valorização e está comprada em bolsa local.

De maneira geral, a Canvas Capital está confiante na retomada da performance do fundo. Porém, ressalta a importância de o investidor entender o momento atual da economia, bem como a estratégia e política de investimento do Enduro, que tem como objetivo um retorno superior ao CDI em um horizonte de investimento de longo prazo.

Ibiuna Hedge STH FIC FIM

15.799.713/0001−34

O Ibiuna Hedge STH FIC FIM rendeu 0,94% (441,4% do CDI) em junho.

A boa performance neste mês e no ano reflete o excelente resultado da estratégia do fundo em meio a um ambiente de volatilidade elevada.  A mudança para um portfólio defensivo ao final de fevereiro, quando apareciam os primeiros sinais dos impactos adversos da pandemia do coronavírus e a posterior exploração de oportunidades relacionadas às políticas de relaxamento monetário ao redor do mundo foram os principais responsáveis pela excelente performance do fundo.

Em termos de contribuição na performance do mês, as estratégias que mais performaram positivamente foram as alocações no mercado de juros de países emergentes, que renderam 0,82%, com destaque para a posição aplicada na curva mexicana. No Brasil, a posição em juros gerou um retorno de 0,69%.

Do lado negativo, as estratégias em moedas foram as que mais contribuíram negativamente com -0,91%.

A gestora acredita que o pior da contração de atividade global causado pela pandemia tenha ficado para trás e que o principal risco adverso segue sendo a possibilidade de que uma segunda onda de contágio afete as perspectivas de recuperação da economia no segundo semestre.

Ela vê como principal tema global neste segundo semestre a provável re-inflação gradual de preços depois do forte choque deflacionário por consequência da pandemia.

Na percepção dela, isso deve se traduzir no curto prazo na continuidade de estímulos monetários elevados, em um dólar globalmente mais depreciado, pressão em preços de commodities e inflação de preços de ativos financeiros.

No Brasil, a gestora tem posições residuais aplicadas na parte curta e intermediária da curva de juros DI, diante da possibilidade de um novo corte da taxa Selic para 2,0% ou menos.

Além também de posições compradas em inflação implícita nas partes curta e intermediária da curva.

No mercado de moedas, o fundo está apostando no dólar contra o real, na contramão está vendido na moeda norte americana contra uma cesta de moedas do G-10 e emergentes de qualidade.

Já no mercado acionário, a gestora mantém exposição através de posições long-short neutro no Brasil. Além de estar com uma posição comprada na bolsa americana.

O fundo possui uma posição comprada em ouro e cobre.

Pacifico Macro FIC FIM

22.354.046/0001−41

Em junho, o fundo entregou uma performance positiva de 0,41% (100,94% do CDI).

Os resultados positivos vieram principalmente de posições aplicadas na curva local de juros de médio prazo e compradas em bolsa brasileira.  A posição comprada na moeda norte americana também teve contribuição positiva relevante.

Ao longo do mês, a gestora voltou a montar posições compradas em renda variável.  

Já na renda fixa, o time da Pacifico diminuiu as posições aplicadas em juros nominais de prazo médio, enquanto no mercado de moedas ela continua apostando na moeda norte americana.

Em termos de exposição do fundo, de acordo com o último relatório mensal, o Pacifico Macro diminui o risco relacionado aos mercados de juros e moedas de 98,3% para 70,6%, devido ao aumento da exposição do fundo ao risco advindo do mercado acionário. No final do mês, o risco em bolsa representava quase um terço do total da carteira.

Ações Brasil

Nessa crise sem precedentes ocasionada pela propagação da pandemia do coronavírus, as bolsas ao redor do mundo desabaram. Quando comparada a crises anteriores, a queda nos preços dos ativos ocorreu de maneira mais rápida.

Após um mês de março de fortes perdas para os ativos de risco, junho foi marcado pela continuação da recuperação dos mercados acionários ao redor do mundo, que se iniciou em abril.

No Brasil, o Ibovespa registrou uma alta de 8,76%, recuperando parte das perdas acumuladas ao longo deste ano, que chegam a -17,8%.

Moat Capital FIC FIA

20.658.576/0001−58

O Moat Capital FIC FIA é um fundo de ações que busca proporcionar retorno por meio da seleção de empresas com potencial de valorização e perspectiva de retorno no longo prazo.

Em termos de processo de investimento, a Moat Capital utiliza um processo agnóstico na seleção dos ativos analisando a bolsa como um todo a fim de encontrar ações subvalorizadas (quando o preço do ativo é menor do que o valor intrínseco da empresa).

A gestora tem uma gestão ativa na qual constrói suas posições baseadas em análises minuciosas das empresas buscando excluir vieses comportamentais que influenciam a tomada de decisão dos investidores e tentando explorar justamente movimentos exagerados identificados no mercado.

A consequência de utilizar uma estratégia de investimento agnóstica (que busca identificar assimetrias no mercado devido a movimentos excessivos dos investidores) é de que o fundo pode possuir um viés contrarian, isto é, posições em contraste ao sentimento atual do mercado.

No mês de junho, o fundo fechou o mês com rentabilidade de 12,72%, enquanto o Ibovespa fechou em 8,76%. Referente aos resultados do fundo, as ações que mais contribuíram para o bom resultado no mês foram Oi, Via Varejo e Gol. Já no lado negativo, as posições que mais contribuíram foram BRF, Banco do Brasil e Multiplan.

No semestre o Ibovespa fechou em -17,80%, enquanto o fundo entregou -11,42%.

A gestora acredita que existe uma grande assimetria no mercado atual que pode ser aproveitada pelos investidores. Porém, salienta a importância do entendimento das características do mercado de ações, ressaltando que os investimentos precisam ter um horizonte de longo prazo.

A Moat destacou que a seleção de papeis (stock picking) ganhará cada vez mais relevância na estratégia da gestora.

Em termos de concentração, os setores consumo cíclico e financeiro eram os mais representativos ao final do mês.

Real Investor FIA

10.500.884/0001−05

O Real Investor FIA é um fundo de ações que busca superar o Ibovespa de forma consistente por meio da aquisição de ativos de elevado potencial de valorização com base na identificação de empresas com distorções entre o preço de negociação e seu valor intrínseco.

Com uma filosofia de investimento de value investing (investimento em companhias em que o valor da empresa é maior do que o preço atual de negociação), a gestora busca identificar boas empresas a preços apropriados e consequentemente ter uma boa margem de segurança e retorno potencial para os investidores.

No mês de junho, o fundo obteve uma rentabilidade de 14,75%, enquanto o Ibovespa fechou em 8,76%.

O resultado do fundo foi impactado principalmente pela alocação nos setores de construção civil, propriedades e varejo, com destaque para as ações da Direcional Engenharia, JHSF e Via Varejo

Já no semestre enquanto o Ibovespa fechou em -17,80%, ao passo que o fundo conferiu uma performance de -9,71%.

A empresa acredita que o movimento de queda das ações foi excessivamente forte, o que originou boas possibilidades de alocação para o fundo. Desde o final de fevereiro a gestora está usando o caixa de forma gradativa privilegiando os investimentos em empresas que devem passar relativamente bem por esse cenário adverso e, ao mesmo tempo, que possuem um potencial expressivo de valorização.

Em junho, a Real Investor ampliou a diversificação da carteira do fundo. Em termos de apostas, os setores de bancos (16,7%), propriedades (16,6%), construção civil (8,8%) e energia elétrica (8,6%) representam pouco mais de 50% da carteira do fundo.

Indie FIC FIA

17.335.646/0001−22

O Indie FIC FIA é um fundo de ações que busca superar o índice Ibrx-100 – indicador de desempenho das 100 ações mais negociadas no mercado brasileiro.

No semestre, o Ibrx-100 fechou em -17,40%, enquanto o fundo entregou -11,80%.

Em junho, o fundo fechou o mês com uma rentabilidade de 12,7% enquanto o Ibrx-100 teve um resultado de 9,0%. As principais contribuições para a performance do fundo no mês foram as alocações nos setores de serviços financeiros, utilities e consumo.

A posição no Banco BTG Pactual foi uma alocação de grande destaque no mês com o preço das ações refletindo o potencial que a linha de negócios digitais pode trazer para companhia.

Durante o mês, a gestora buscou aumentar a exposição em empresas cujos modelos de negócio parecem ter saído mais fortalecidos em decorrência da nova realidade imposta pela pandemia, principalmente sobre o aspecto da digitalização.

A carteira continua concentrada nas temáticas de crescimento acelerado e mudança estrutural com Eneva, Locamerica e Magazine Luiza como principais teses.

Em termos de concentração, no final de junho as quinze maiores posições do fundo representavam 69,7% do total da carteira, sendo que 53,7% estava investido em companhias de grande porte (large caps).

Já em relação aos setores, as principais apostas eram nos ramos de consumo (17%), utilities (14%) e logística (13%).

Brasil Capital 30 FIC FIA

14.866.273/0001−28

O Brasil Capital FIC FIA 30 é um fundo de ações que busca gerar retorno por meio de investimentos em empresas com ótimos fundamentos e que possuam uma boa relação entre seu risco e retorno esperado.

Em termos de filosofia de investimento, a gestora seleciona as empresas por meio de uma profunda análise fundamentalista com rigoroso controle de risco, buscando empresas com distorções entre o preço de negociação e seu valor intrínseco.

A gestora baseia-se em três pilares principais na seleção dos ativos do fundo, que são:

1 – Modelo de negócios de qualidade superior (empresas dominantes no setor que atuam e que tenham vantagens competitivas);

2 – Gestão de excelência (alto padrão de governança corporativa);

3 – Valuation atrativo (boas empresas a preços apropriados e consequentemente uma boa margem de segurança e retorno potencial para os investidores).

O portfólio do fundo é constituído sem concentração excessiva em setores e empresas e privilegia ações de alta liquidez na bolsa.

No semestre Ibovespa fechou em -17,80%, enquanto o fundo entregou -20,06%.

No mês de junho, o fundo obteve uma rentabilidade de 12,3%, enquanto o Ibovespa fechou em 8,8%. As principais contribuições positivas foram os setores de serviços financeiros, varejo e bancos.

A gestora procurou construir um portfólio equilibrado com maior peso para empresas dos setores classificados como “serviços essenciais”, formado por empresas geradoras de caixa, líderes de mercado, previsíveis, com baixo endividamento, vantagens competitivas estruturais e, em sua maioria, ligadas a setores como infraestrutura, saúde, educação e utilidades públicas. No mês, a gestora fez poucas alterações no portfólio, aumentando posição nos setores de papel e celulose, varejo e construção civil e reduzindo em saúde e serviços financeiros.

No final de junho os principais setores eram consumo (16,0%), infraestrutura (13,1%) e saúde e educação (13,0%).

A gestora salientou a sólida posição das companhias da carteira, que possuem fluxos de caixa robustos e valuations bastante atrativos.

Equitas Selection FIC FIA

12.004.203/0001−35

O Equitas Selection FIC FIA é um fundo que busca rentabilidade por meio de um portfólio em empresas com fortes fundamentos, líderes dos seus respectivos setores de atuação e que buscam gerar valor aos acionistas no longo prazo.

O Equitas Selection foi lançado em setembro de 2010 com uma estrutura 130%-30%, posição comprada e vendida, respectivamente. Em termos de concentração, usualmente, o fundo mantém de 15 a 20 ações na ponta comprada, decorrente de um processo de análise fundamentalista, que busca identificar as empresas com valor de negociação na bolsa de valores abaixo de seu valor intrínseco.

No semestre, o Ibovespa fechou em -17,80%, enquanto o fundo entregou -25,21%.

Já em junho, o fundo fechou o mês com rentabilidade de 13,52% enquanto o Ibovespa fechou em 8,76%.

Referente à performance de junho, os setores que mais contribuíram positivamente foram finanças e seguros e varejo com 3,0% e 2,8%, respectivamente. As apostas individuais que mais se destacaram no mês foram as ações do BTG Pactual (+3,64%), Via Varejo (+2,22%), Azul (+1,46%) e EZ Tec (+1,19%).

Do lado negativo, o setor de consumo foi o que mais contribui negativamente para o resultado do fundo, com um retorno de -0,1%.

No mês, a Equitas aumentou as posições em Via Varejo e BTG Pactual, que atualmente estão entre as 5 maiores posições.

No final de junho, os setores de varejo e construção, shopping e propriedades eram os mais representativos com exposição líquida de 18,6% e 17,5%, respectivamente.

A gestora acredita que momentos de crise, como o deste ano, geram oportunidades que podem ser aproveitados por investidores devido à tendência de descolamento dos preços dos fundamentos de longo prazo das empresas.

Ações Brasil Small Caps

Fundos que possuem carteiras de no mínimo 85% em ações de empresas que não estejam incluídas entre as 25 maiores participações do IBrX – Índice Brasil, ou seja, empresas com relativamente baixa capitalização de mercado.

Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA

35.471.498/0001−55

O Trígono Flagship 60 FIC FIA é um fundo de ações que busca proporcionar retorno por meio da seleção de empresas com valor de mercado abaixo de R$ 5 bilhões ou liquidez abaixo de R$ 10 milhões, buscando a melhor relação de risco e retorno dentro deste universo de investimentos.

Em termos de filosofia de investimento, a gestora seleciona as empresas por meio de uma profunda análise fundamentalista com rigoroso controle de risco, buscando empresas com distorções entre o preço de negociação e seu valor intrínseco.

A Trígono baseia-se em alguns princípios na seleção dos ativos do fundo, que são:

  • Buscam primordialmente empresas com menor cobertura do mercado, por acreditarem que neste universo estão as melhores oportunidades para o fundo;
  • Utilizam metodologia proprietária que considera a geração de valor ao acionista em relação ao custo do capital empregado;
  • Após a avaliação quantitativa, a gestora analisa qualitativamente as companhias para determinar o valor intrínseco da empresa avaliada e o preço de entrada e de saída do ativo;
  • Utilizam um processo de investimento bottom-up, pautado no valor das empresas.
  • Os dividendos são determinantes no retorno dos acionistas no longo prazo e possuem peso importante no processo de seleção das empresas e na composição dos portfólios;
  • Procuram empresas com vantagens competitivas e que respeitem os preceitos ASG (Ambiental, Social e Governança);
  • Portfólio concentrado nas empresas que apresentam maior potencial de valorização.

No semestre, o índice SMLL, que busca refletir os ativos das empresas de menor capitalização na B3, fechou em -20,73%, enquanto o fundo entregou -12,15%.

Já em junho, o fundo fechou o mês com rentabilidade de 10,21%, enquanto o SMLL fechou em 14,43%.

Referente à performance de junho, os setores que mais contribuíram positivamente foram indústria e agronegócio com 4,97% e 4,38%, respectivamente. Enquanto os principais detratores foram os setores mineração e metalurgia e químico que contribuíram com -0,90% e -0,16%, respectivamente.

Em termos de exposição da carteira, no final de junho mais da metade do fundo estava concentrada em empresas com valor de mercado entre R$ 1 bilhão e R$ 5 bilhões ou liquidez diária abaixo de R$ 10 milhões. Já em relação às micro caps que possuem valor de mercado abaixo de R$ 1 bilhão, o fundo fechou o mês com 30% do seu portfólio alocado nessas empresas.

Setorialmente, a gestora está concentrada em posições em agronegócio, indústria automobilística pesada, commodities, logística e empresas ligadas ao gás natural.

Rio Verde Small Caps FIA

07.420.595/0001−83

O Fundo Rio Verde Small Caps FIA é um fundo de ações que busca superar o índice SMLL atráves de uma carteira diversificada de companhias de pequeno e médio porte, pequena e média liquidez e com grande potencial de valorização no longo prazo.

Em termos de filosofia de investimento, a gestora seleciona as empresas por meio de uma análise fundamentalista selecionando ações promissoras para entregar retornos expressivos no longo prazo.

Focando em ações negociadas abaixo do seu valor intrínseco, o portfólio do fundo é constituído por empresas com alto potencial de crescimento.

Na seleção das companhias a Rio Verde identifica as empresas com maior possibilidade de se desenvolver, crescer, melhorar a rentabilidade e eventualmente se qualificar a ser uma grande companhia.

No semestre, o fundo teve uma performance de -17,97%, ao passo que o índice SMLL entregou -20,73%.

Já em junho, o fundo fechou o mês com rentabilidade de 9,54% enquanto o índice de small caps fechou com 14,43%.

Referente à performance de junho, os setores que mais colaboraram positivamente foram imobiliário de construção e incorporação com 3,43% e varejo que entregou 3,39%. Em termos de contribuições individuais, destaca a valorização do preço das ações da Even que disparou mais de 50% no mês.

Já os principais detratores foram os energia elétrica e alimentos que contribuíram com -0,07% e -0,65%, respectivamente.

Em termos de exposição da carteira, no final de junho os setores com maior alocação eram Varejo com 22,37% seguido por Infraestrutura e Logística com 20,81%.

No mês, a Rio Verde aumentou suas alocações em Ecorodovias e Ourofino e em contrapartida diminui sua exposição na B2W.

Ações Investimento no Exterior

Junho apresentou uma continuação da recuperação dos mercados globais após as intensas quedas dos meses anteriores.

Para a exposição no mercado acionário internacional, indicamos duas alternativas de alocação de diferentes estratégias de gestão (passiva e ativa).

S&P 500 (ETF)

IVVB11

O IVVB11 é um ETF (Exchange Traded Funds) que replica o S&P 500, principal índice de ações dos EUA. Ao comprar IVVB11, você está adquirindo ações de 500 das maiores empresas americanas, sendo assim um investimento bastante diversificado. Entre elas estão Microsoft, Apple, Amazon, Facebook e Google.

Além dos benefícios comuns à maioria dos ETFs, outra característica positiva é que esse fundo realiza os investimentos em dólar, servindo, assim, como proteção para o portfólio.

Em junho, o fundo teve um retorno positivo de 2,68%. O S&P 500 subiu 1,84% no mês.

O IVVB11 é negociado na B3 e pode ser adquirido através da corretora na plataforma de home broker.

Ele foi lançado em abril de 2014 e é gerido pela Blackrock, a maior gestora de recursos do mundo.

Morgan Stanley Global Opportunity Dolar Advisory FIC FIA IE

33.913.562/0001−85

O Morgan Stanley Global Opportunity Dólar é um fundo de ações que busca proporcionar retorno no longo prazo por meio do investimento em empresas ao redor do mundo.

Uma característica importante é que ele realiza seus investimentos em dólar, tendo, assim, exposição cambial e desempenhando um papel de proteção para o portfólio.

Em termos de filosofia de investimento, a gestora seleciona as empresas por meio de uma intensa análise fundamentalista, buscando empresas de qualidade e que estejam com distorções no preço de negociação e seu valor intrínseco.

O fundo segue um processo de investimento constituído de cinco etapas: geração de ideia, verificação da qualidade dos ativos, valuation das empresas, gerenciamento de risco e construção do portfólio.

Já em termos de alocação, a carteira do fundo é relativamente concentrada, sendo que usualmente as 10 maiores posições do fundo corresponde a aproximadamente 50% do portfólio.

A gestão busca se diferenciar bastante do indicador de referência e o active share do fundo costuma ser de no mínimo 90%.

O MS Global Opportunity Dólar é um fundo de cotas que investe sua totalidade no fundo “master”, Morgan Stanley Global Opportunity Fund.

Em junho, o fundo local teve um retorno positivo de 7,69%. Enquanto o índice MSCI All Country World subiu 3,20% no mês.

O índice MSCI All Country World fornece uma indicação da performance do mercado acionário global.

No ano o fundo offshore (master) entregou 15,33%, ao passo que o índice teve um retorno negativo de -6,25%. Já o fundo local teve um retorno de 58,27% no ano.

Vale lembrar que a cota do fundo local é em real e os ativos investidos em dólares, com isso, a rentabilidade do fundo é impactada pela variação do dólar contra a moeda brasileira.

De acordo com o último relatório mensal do fundo, as principais apostas individuais do fundo eram na Amazon (7,45%), Mastercard (5,93%) e a empresa chinesa de educação, TAL Education Group (5,73%).

Abaixo destacamos algumas plataformas em que os fundos podem ser encontrados:

Disclaimer

Aviso legal

A presente publicação visa única e exclusivamente informar os leitores dos temas apresentados e divulgar as atividades da Capital Research, portanto não deve sob qualquer hipótese ser compreendida como oferta de negociação de títulos, valores mobiliários ou quaisquer outros instrumentos financeiros.

Determinados conteúdos produzidos pela equipe da Capital Research podem constituir "Relatório de Análise", conforme definido no artigo 1º § 1º da Instrução CVM 598/2018. Quando da emissão destes Relatórios, os Analistas de Valores Mobiliários responsáveis pela referida emissão e autores dos conteúdos publicados, declaram expressamente que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem estritamente suas opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma, declarando-se ainda responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.

As informações apresentadas nos relatórios foram baseadas em fontes públicas e consideradas confiáveis na data de publicação, e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação pela Capital Research e/ou analistas em relação a tais mudanças.

Os analistas poderão esclarecer dúvidas de seus leitores através de relatórios ou vídeos que serão enviados simultaneamente a estes, sendo sempre mantida e garantinda a isonomia de informações.

Ressaltamos que as decisões de investimentos devem ser realizadas pelo próprio leitor sob sua total e exclusiva responsabilidade. Os resultados e estatísticas anteriores NÃO devem ser interpretados como garantias de ganhos futuros, sendo que de nenhuma forma a Capital Research e seus analistas, expressamente ou implicitamente, garantem algum desempenho ou a ocorrência de ganhos.

Alguns instrumentos de investimentos podem não ser adequados para todos os leitores, uma vez que os relatórios emitidos pela Capital Research, não levam em conta a situação específica e individualizada de cada um, devendo a decisão final sobre a realização ou não do investimento, ser tomada exclusivamente pelo leitor.

A Capital Research poderá alterar o presente aviso legal sob seus próprios critérios, sem que isto implique em necessidade de qualquer comunicação prévia ao leitor.

“Os analistas de valores mobiliários autores do presente conteúdo declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/2018, que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma. Sob tal circunstância, ainda, os respectivos analistas se declaram responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.”