Renda Fixa

Carteira de Renda Fixa - Setembro/2020

Samuel Torres, CFA31/08/2020

Agosto não foi um mês bom para boa parte dos ativos brasileiros e serviu, novamente, para lembrar os investidores da importância da diversificação geográfica e dos investimentos em ativos dolarizados.

No mês, as ações globais, medidas pelo MSCI World Index, zeraram as perdas do ano e já estão no campo positivo, o S&P 500 continuou subindo, atingindo novas máximas históricas, e o dólar voltou a se valorizar contra o real. Já o Ibovespa chega ao último pregão do mês muito próximo da estabilidade e os títulos de renda fixa prefixados e indexados a inflação sofreram com a alta das expectativas de taxas de juros futuros.

E o motivo desse descolamento entre o cenário doméstico e o internacional foi o aumento do receio quanto à situação das contas públicas brasileiras e até com uma possível saída de Paulo Guedes do Ministério da Economia.

O assunto ganhou destaque com o pedido de demissão, ainda na primeira quinzena de agosto, de Salim Mattar e Paulo Uebel, então secretário de Desestatização e Privatização e secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, respectivamente, ambos insatisfeitos com o ritmo lento da agenda de reformas econômicas.

A saída foi vista como sinal de que o andamento das reformas econômicas pode ser (ainda) mais difícil do que o esperado e que a austeridade fiscal (ou pelo menos a tentativa de) pode ficar de lado.

Uma eventual saída de Guedes poderia ter graves consequências ao país e a seus investimentos, como eu detalhei nesse relatório publicado na semana passada. Mais detalhes de como se proteger, ou até lucrar, caso esse evento se concretize você encontra nesse outro relatório.

Ainda no âmbito interno, o Copom cortou a taxa Selic em 0,25 ponto percentual, levando a taxa para 2,00% ao ano, e indicou serem possíveis novos cortes – ainda que pequenos e graduais –, afirmando que uma nova elevação da taxa não deve vir tão cedo (porém isso foi antes das preocupações com a questão fiscal se agravarem).

Lá fora, apesar da alta, também surgiram algumas preocupações.

Além da constante flutuação dos casos de covid-19, ocorreu novo aumento da tensão entre EUA e China, envolvendo uma nova investida de Donald Trump contra empresas de tecnologia chinesas.

Contudo, vários dados econômicos melhores do que o esperado e notícias sobre evolução de possíveis tratamentos e vacinas estimularam a continuidade da alta das ações por lá.

Olhando para frente, o principal risco que vejo é a questão fiscal brasileira, principalmente se Paulo Guedes deixar o governo, que pode voltar a impactar negativamente as posições prefixadas e indexadas à inflação.

Por isso é importante alocar também em outras classes de ativo além da renda fixa: como sempre, recomendamos que, do total de sua carteira de investimentos, aloque em renda fixa apenas o percentual que recomendamos na Carteira Capital, de acordo com seu perfil de risco.

Além disso, permanece o risco de deterioração da relação entre EUA e China e as eleições presidenciais americanas, cada vez mais próximas, podem trazer volatilidade ao mercado.

Para setembro, apenas trocamos a LCA do banco Daycoval pela LCI do mesmo banco, pois no momento da elaboração desse relatório a taxa da LCI estava mais atrativa. Quem já tinha a LCA do Daycoval, não precisa fazer nada. 

Carteira de Renda Fixa (Setembro/2020)

Ativo Setor/Tipo Alocação Retorno Esperado (a.a.)

Retorno anualizado esperado do título se mantido até o vencimento.

IR

Forma de tributação de Imposto de Renda.

Retorno Esperado Líquido de IR (a.a.)

Retorno anualizado esperado do título se mantido até o vencimento, descontado o imposto de renda.

Tesouro Selic 2025

Tesouro IPCA+ 2035

Tesouro Prefixado 2023

LCA Banco ABC

LCI Banco Daycoval

Tesouro Selic 2025

Pós-fixado 45.0% 6.11% Regressivo 5.19%

Tesouro IPCA+ 2035

Indexado à inflação 15.0% 8.03% Regressivo 6.83%

Tesouro Prefixado 2023

Prefixado 30.0% 4.17% Regressivo 3.54%

LCA Banco ABC

Crédito Privado 5.0% 3.60% Isento 3.60%

LCI Banco Daycoval

Crédito Privado 5.0% 3.56% Isento 3.56%

Tesouro Selic 2025

Alocação: 45.0%

O Tesouro Selic é considerado o investimento mais seguro do Brasil, uma vez que é emitido pelo governo federal e permite resgate diário sem risco de perda de rentabilidade. Esse título apresenta rentabilidade praticamente igual à taxa Selic.

Ele tem uma mecânica muito parecida com a poupança, mas com maior rentabilidade e menor risco. De forma geral, o Tesouro Selic deveria substituir suas aplicações em poupança independentemente do seu horizonte de aplicação, dado que, mesmo com tributação, esse investimento apresenta retorno maior.

Tesouro IPCA+ 2035

Alocação: 15.0%

O Tesouro IPCA+ também é um investimento seguro, já que é emitido pelo governo federal. Esse título paga uma taxa de juros definida no momento da aplicação mais o IPCA (inflação) do período em que o investidor permanecer com o investimento. Assim, se mantido até o vencimento, o Tesouro IPCA+ garante uma rentabilidade acima da inflação.

Todavia, caso o título seja resgatado antes, a rentabilidade realizada pode ser inferior (ou superior) à estipulada no momento da compra, dependendo das condições de mercado. Por isso, acaba sendo mais arriscado que o Tesouro Selic.

Tesouro Prefixado 2023

Alocação: 30.0%

O Tesouro Prefixado é o título mais arriscado emitido pelo governo. A taxa de juros é definida no momento da compra, porém, caso o título seja resgatado antes do vencimento, a rentabilidade realizada pode ser inferior (ou superior) à estipulada naquele momento, dependendo das condições de mercado.

Além disso, mesmo se mantido até o vencimento, a rentabilidade do Tesouro Prefixado pode ser inferior à taxa de inflação, caso esta acelere. Dessa forma, existe o risco de o investidor perder poder de compra mesmo permanecendo com o papel até o vencimento.

LCA Banco ABC

Alocação: 5.0%

O Banco ABC foi fundado em 1989 e é focado em concessão de crédito para empresas de médio e grande porte. Consideramos o risco de crédito do Banco ABC como um dos menores entre os bancos médios brasileiros.

A LCA que recomendamos tem vencimento em agosto de 2022 e paga 114% do CDI. Levando em consideração que a LCA é isenta de Imposto de Renda, é equivalente a um título sem isenção de IR que pague 134% do CDI.

O título pode ser adquirido clicando aqui.

LCI Banco Daycoval

Alocação: 5.0%

O Banco Daycoval foi fundado em 1968 e é especializado em concessão de crédito para médias empresas e pessoas físicas (consignado e financiamento de veículos). Também consideramos o risco de crédito do Daycoval muito bom entre os bancos médios.

A LCI que recomendamos tem vencimento em agosto de 2022 e paga 112,5% do CDI. Levando em consideração que a LCA é isenta de Imposto de Renda, ela se torna equivalente a um título sem isenção de IR que pague 132% do CDI.

O título pode ser adquirido clicando aqui.

Lembramos que LCAs e LCIs são títulos sem liquidez, ou seja, dificilmente o investidor consegue resgatar o investimento antes da data de vencimento. Caso encontre um comprador, provavelmente terá que conceder um desconto no preço de venda que impactará negativamente sua rentabilidade.

Por fim, ressaltamos que LCAs e LCIs se enquadram nas regras de garantia do FGC e que as rentabilidades calculadas aqui preveem a compra direta com os emissores, podendo ser alteradas caso você opte por comprá-las de um intermediário como uma corretora.

Rentabilidade Histórica

 out/19nov/19dez/19jan/20fev/20mar/20abr/20mai/20jun/20jul/20ago/20Acumulado
Carteira de Renda Fixa2,2%-1,1%0,5%0,7%0,4%-3,1%1,0%0,8%0,8%2,1%-0,7%3,5%
     CDI0,4%0,4%0,4%0,4%0,3%0,3%0,3%0,2%0,2%0,2%0,2%3,3%
% do CDI551,4%-287,7%129,5%177,0%121,2%-897,7%326,2%316,5%390,5%1081,0%-455,2%104,6%
Rentabilidade desde 07/10/2019. Para ativos isentos de Imposto de Renda, utilizamos o retorno equivalente ao de um título sem isenção.

Disclaimer

Aviso legal

A presente publicação visa única e exclusivamente informar os leitores dos temas apresentados e divulgar as atividades da Capital Research, portanto não deve sob qualquer hipótese ser compreendida como oferta de negociação de títulos, valores mobiliários ou quaisquer outros instrumentos financeiros.

Determinados conteúdos produzidos pela equipe da Capital Research podem constituir "Relatório de Análise", conforme definido no artigo 1º § 1º da Instrução CVM 598/2018. Quando da emissão destes Relatórios, os Analistas de Valores Mobiliários responsáveis pela referida emissão e autores dos conteúdos publicados, declaram expressamente que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem estritamente suas opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma, declarando-se ainda responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.

As informações apresentadas nos relatórios foram baseadas em fontes públicas e consideradas confiáveis na data de publicação, e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação pela Capital Research e/ou analistas em relação a tais mudanças.

Os analistas poderão esclarecer dúvidas de seus leitores através de relatórios ou vídeos que serão enviados simultaneamente a estes, sendo sempre mantida e garantinda a isonomia de informações.

Ressaltamos que as decisões de investimentos devem ser realizadas pelo próprio leitor sob sua total e exclusiva responsabilidade. Os resultados e estatísticas anteriores NÃO devem ser interpretados como garantias de ganhos futuros, sendo que de nenhuma forma a Capital Research e seus analistas, expressamente ou implicitamente, garantem algum desempenho ou a ocorrência de ganhos.

Alguns instrumentos de investimentos podem não ser adequados para todos os leitores, uma vez que os relatórios emitidos pela Capital Research, não levam em conta a situação específica e individualizada de cada um, devendo a decisão final sobre a realização ou não do investimento, ser tomada exclusivamente pelo leitor.

A Capital Research poderá alterar o presente aviso legal sob seus próprios critérios, sem que isto implique em necessidade de qualquer comunicação prévia ao leitor.

“Os analistas de valores mobiliários autores do presente conteúdo declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/2018, que as recomendações de títulos e valores mobiliários apresentadas constituem opiniões pessoais, elaboradas de forma totalmente independente e autônoma. Sob tal circunstância, ainda, os respectivos analistas se declaram responsáveis pelo cumprimento das obrigações dispostas no Art. 20 da referida Instrução.”