Como investir em Fundos de Investimento

Conheça os tipos de fundos que existem e como investir neles

Passo a passo

  • Fundos de investimento são uma modalidade de investimento coletivo. Eles funcionam como uma espécie de “condomínio” de investidores. Neles, são reunidos os recursos de diversas pessoas, para que sejam aplicados em conjunto no mercado financeiro e de capitais. Os ganhos obtidos com as aplicações são divididos entre os participantes, na proporção do valor depositado por cada um.

    A soma do valor investido pelos investidores forma o patrimônio do fundo, que é aplicado por uma instituição ou um gestor, profissional responsável pela seleção e controle da carteira de investimentos do fundo. As decisões sobre o que fazer com os recursos devem obedecer objetivos e políticas pré-definidos. 

    O funcionamento dos fundos de investimento obedece às normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a um regulamento próprio.

    Portanto, é muito importante que se faça a leitura do regulamento do fundo no qual você deseja investir, pois é nele que poderão ser encontrados as regras de diversificação da carteira de ativos, grau de risco, taxa de administração e despesas, regras de aplicação e resgate de cotas etc.

    Tipos de Fundo de Investimento

    • Fundos de ações

    Como o próprio nome sugere, a maior parte das aplicações desses fundos de investimento é em ações negociadas na Bolsa de Valores.

    • Fundos cambiais

    Um fundo cambial deve ter pelo menos 80% de seus ativos relacionados à variação de preços de moedas estrangeiras. Ele também pode ser formado por variações cambiais em geral.

    • Fundos DI

    Fundos de investimento que investem pelo menos 95% em ativos que acompanham, direta ou indiretamente, títulos atrelados ao CDI ou à Selic, podendo ser títulos públicos ou privados.

    • Fundos de renda fixa

    Fundos pertencentes a essa modalidade investem quase todo seu patrimônio em aplicações de renda fixa. Se você gosta de investimentos mais conservadores, eles podem ser boas opções.

    • Fundos multimercado

    Os fundos multimercados são excelentes alternativas para quem gosta de variar. Eles não aplicam em nenhum mercado, especificamente pois lidam com vários setores e tipos de aplicação.

    • Fundos de dívida externa

    Esse tipo de fundo deve investir 80% de seu patrimônio, pelo menos, em títulos de dívida externa da União. Essa é principal maneira de se investir em papéis que são emitidos pelo governo brasileiro e negociados no exterior.

  • Um fundo de investimentos é dividido em cotas. Quando você faz um aporte de capital, está adquirindo uma fração, uma parte, desse fundo. A soma de todas as cotas compradas pelos investidores é o valor do patrimônio total.

    Assim, o valor da cota se altera a cada dia, mas a quantidade de cotas que o investidor possui é sempre a mesma. Ela só vai se alterar caso seja feito um resgate, uma nova aplicação ou seja recolhido o Imposto de Renda antecipado, o chamado come-cotas.

  • Agora que você já entendeu as variações e do que se trata a Carteira de fundos, chegou a hora de descobrir como usá-la.

    Em primeiro lugar, você deverá escolher qual versão da Carteira de fundos de investimentos você deseja seguir: conservadora, moderada ou agressiva. Para isso, basta clicar no botão correspondente que aparece logo ao lado do nome da carteira:

    Feito isso, é hora de localizar as informações dentro da tabela.

    O primeiro passo é encontrar cada um dos ativos que compõem a carteira: Reserva de emergência, Renda Fixa (Brasil)Renda Fixa (Global), Multimercados etc; e na sequência, verificar na mesma linha a indicação do percentual de alocação recomendado para cada uma delas, isto é, qual fatia do total do seu dinheiro você deve investir em cada categoria.

    Mas, Renda Fixa, Multimercados e Ações são apenas classe de ativos. Para conseguir, de fato, investir será necessário saber qual fundo específico está sendo recomendado.

    Sendo assim, na primeira coluna você encontrará o nome do fundo recomendado em negrito e, logo abaixo, o CNPJ correspondente.

    Os fundos recomendados são sugestões de produtos para alocação em cada categoria. Isto é, uma lista de indicações para alocar a parcela destinada à essa classe de ativo.

    Na coluna seguinte, você encontrará o público alvo que irá identificar se o fundo é destinado a Investidor Qualificado ou Investidor em Geral.

    Logo, na coluna adiante referida como Status para Captação estará identificado se o fundo está atualmente aberto ou fechado para aportes. 

    Seguindo, teremos a coluna Categoria em que será possível identificar o tipo do respectivo fundo.

    Essa informação não tem efeito prático nenhum para o investidor, mas é bom saber para ter uma noção da diversificação com a qual a carteira foi construída, buscando reduzir o risco de ficar exposto a apenas uma única estratégia de investimento.

    As próximas colunas trarão informações referentes à performance do fundo em janelas de um mês, 12 meses, 36 meses e a volatilidade do fundo.

    A volatilidade (desvio padrão) é uma medida de risco que mede a dispersão dos retornos do ativo. Nesse caso, a volatilidade é anualizada e calculada por meio dos retornos mensais dos últimos 36 meses do fundo.

    Posteriormente, apenas para conhecimento, iremos mostrar (quando houver) as taxas de administração e performance dos fundos.

    Na penúltima coluna, será identificado o prazo para pagamento do resgate a partir da solicitação do investidor.

    Por exemplo, D32, significa que o cotista receberá o pagamento em sua conta no trigésimo segundo dia subsequente à solicitação do resgate.

    A última coluna da tabela informará o valor mínimo inicial que o investidor terá que investir para ter acesso ao fundo.

    Agora que você já sabe interpretar a tabela da Carteira de Fundos, um pouco mais abaixo no relatório você encontrará cada um dos ativos que constam na carteira de forma detalhada.

    Nessa parte, novamente estarão listados os nomes dos fundos de investimento e o CNPJ correspondente. Logo abaixo, também haverá algumas linhas sobre o nosso ponto de vista sobre cada um deles.

    Por último, iremos identificar algumas plataformas em que os fundos podem ser encontrados:

  • Se você já entende o que são Fundos de Investimento quer realmente colocar em prática nossas recomendações, chegou a hora de aprender como, de fato, realizar seu investimento.

    Nesse caso, será preciso que você abra uma conta em uma corretora. Essas instituições são as únicas autorizadas a realizar a operação de compra e venda na bolsa de valores.

    Caso você já tenha conta em uma corretora, clique aqui e avance para depois do vídeo.

    Mas caso você não tenha, preparamos um vídeo ensinando como abrir conta nas principais opções de corretoras disponíveis no mercado.  

    Vale ressaltar que nós não temos parceria ou preferência por nenhuma delas. Somos totalmente independentes e a escolha é totalmente sua.

    Agora que você já tem uma conta aberta em uma corretora, você deve transferir o dinheiro que deseja investir para a sua conta seguindo as recomendações da própria instituição.

    Feito isso, é só selecionar abaixo a sua corretora de preferência e acompanhar o vídeo que explica, passo a passo, como aplicar em Fundos de Investimento.

    Ressaltamos que é muito importante ler com bastante atenção o prospecto programa que contém o plano e a descrição de um negócio e o regulamento de cada fundo.

  • Muito bem, supondo agora que você já é cotista de um Fundo de Investimento, pode ser que em algum momento deseje ou precise resgatá-lo. Neste caso, você deverá fazer o processo pela mesma corretora.

    O caminho é bem simples, mas nós também preparamos um vídeo explicando como fazer isso. É só escolher a sua corretora de preferência e seguir o passo a passo do vídeo.

    ***

    Este tutorial termina aqui. Ficou com mais alguma dúvida sobre Fundos de Investimento? Envie um email para atendimento@capitalresearch.com.br e nós responderemos o mais rápido possível.