FGC: O que é e como funciona o Fundo Garantidor de Créditos?

Descubra o que significa, como funciona e quem pode contar com a garantia do FGC

Investir em aplicações é uma opção bastante atraente para quem quer aumentar seu patrimônio e lucrar com as altas do mercado. No entanto, sempre há certeza quanto aos riscos do mercado de investimento. 

Ao montar a carteira de investimento, não se espera que uma instituição financeira declare falência, mas é um risco que o investidor sofre e que pode vir a acontecer.  

No entanto, é justamente para isso que existe o FGC e é importante que o investidor conheça seus benefícios. O Fundo Garantidor de Crédito é, em linhas gerais, um mecanismo de proteção a quem investe. 

Mas, afinal, como funciona esse FGC?

O que é o FGC?

Criado em 1995, o FGC é uma organização brasileira sem fins lucrativos, de caráter privado e ação independente. Até dezembro de 2017, segundo o próprio FGC, havia mais de 241 milhões de investidores protegidos pelo fundo e o valor de investimentos assegurados era de um trilhão de reais.

A sigla FGC diz respeito ao Fundo Garantidor de Créditos e é uma organização que promove a proteção aos correntistas e investidores. O FGC não é um banco e nem se define como um órgão governamental, pois é classificado como uma instituição privada e sem fins lucrativos.

É importante frisar que o Fundo Garantidor de Créditos não é uma instituição financeira e não atua com empréstimos de financiamentos. Seja para pessoa física ou jurídica, o FGC é uma associação civil com personalidade jurídica de direito privado e que conta com profissionais preparados para promover a prevenção da estabilidade do sistema financeiro.

Resumindo, o FGC é uma garantia para quem investe e participa do fundo, portanto sua função é de garantir segurança do mercado financeiro e proteger o capital desses participantes caso algo venha a ocorrer com as aplicações realizadas.

Como funciona o FGC?

Minimizar os riscos de crédito e oferecer respaldo aos investidores perante uma possível falência financeira é sua proposta, além de proteger contra riscos sistêmicos, que seriam causados por quebras de instituições, gerando uma corrida bancária. A ideia é proteger o investidor e, dessa forma, promover a segurança do sistema também.

O FGC se mantém por instituições financeiras que contribuem mensalmente de 0,0125% sobre todo o capital aplicado. Ele age protegendo depositantes e investidores, prevenindo riscos de quedas bancárias. 

Dessa forma, as próprias instituições financeiras destinam parte de seu capital para manter o fundo garantidor. Essa proteção é feita por meio de garantias de créditos dos participantes do fundo.

Há um limite de cobertura classificado por CPF ou CNPJ e é de R$ 250 mil por instituição participante em um teto de R$ 1 milhão por investidor, com validade de 4 anos. Então, para que você tenha seu capital completamente coberto pelo FGC, não pode manter mais que esse valor em uma só instituição. Somente após 4 anos esse teto é restabelecido.

Isso quer dizer que, caso você tenha um valor superior a R$ 250 mil e queira ter a garantia do FGC, deverá selecionar mais de uma instituição participante para dividir seus investimentos em mais de uma instituição.

Vale destacar que não se aplica o teto de R$ 1 milhão a cada período de 4 anos para investimentos contratados ou repactuados até 21 de dezembro de 2017. 

Quais investimentos são assegurados?

Entre os investimentos assegurados pela proteção do fundo, estão:

  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Letras de Câmbio (LC);
  • Letras Hipotecárias (LH);
  • Letras de crédito Imobiliário (LCI);
  • Depósitos de Poupança;
  • Depósitos à vista ou sacáveis com aviso prévio;
  • Depósito a prazo, com ou sem emissão de Certificado de Depósito Bancário (CDB) e Recibo de Depósito Bancário (RDB);
  • Depósitos mantidos em contas sem movimentação por meio de cheques (serviços de pagamento de vencimentos, salários, pensões, aposentadorias);
  • Operações compromissadas cujo objeto são títulos emitidos depois de 8 de março de 2012 por companhia ligada.

 

Como utilizar a garantia

São associadas ao FGC: 

  • instituições que funcionam no Brasil e que cumprem os critérios básicos, como a Caixa Econômica Federal; 
  • múltiplos bancos comerciais; 
  • bancos de investimento; 
  • bancos de desenvolvimento; 
  • sociedades de crédito; 
  • financiamento e investimento; 
  • companhias hipotecárias; 
  • associações de poupança e empréstimo de dinheiro
  • sociedade de crédito imobiliário.

A associação é de cunho obrigatório, sob determinação do Banco Central do Brasil, e os pagamentos de quem investiu nos títulos,

Para acionar a garantia do fundo, geralmente é necessário ir a uma agência com os documentos necessários e assinar um Termo de Cessão de Créditos ao FGC. Após a assinatura e recebimento dos documentos, o valor será pago ao investidor entre 10 e 15 dias e nenhuma taxa será cobrada.

Como informação adicional, saiba que o FGC já foi acionado e isso não ocorreu apenas uma vez, mas 34 vezes desde sua criação até fevereiro do ano de 2018. Um momento recente foi em maio de 2018 quando o Banco Central decretou liquidação extrajudicial do Banco Neon e o pagamento foi programado até setembro do mesmo ano, por meio do banco Bradesco. 

Não há dúvidas de que o Fundo Garantidor de Créditos funcione e que seja um meio interessante de proteção para o investidor, mas vale lembrar que é sempre importante analisar bem seus investimentos de modo que seja possível minimizar ainda mais os riscos ao tomar uma decisão. 

Quer saber como investir melhor? Confira os planos da Capital Research. Você terá acesso a conteúdos exclusivos e ainda terá o auxílio de uma equipe de especialistas para te orientar nos investimentos.

Recomendados

Investimentos

Calculando o Índice de Endividamento: saiba como aqui!

...

1 ano atrás

Investimentos

Economia mista: como funciona esse tipo de sociedade

A economia mista é um tipo de sociedade com capital privado e público. Veja alguns ...

11 meses atrás

Investimentos

Fundos de investimento: o que são e como funcionam?

Entenda o que são fundos de investimento, como funcionam e por que vale a pena ...

10 meses atrás