Criptomoedas: o que são e como funcionam?

Investir em criptomoedas é uma opção para quem não tem medo de risco e volatilidade. Entenda como funciona esse investimento.

Investir em criptomoedas é uma opção de aplicação financeira para quem não tem medo de volatilidade e está disposto a correr riscos em busca de rentabilidades mais sedutoras do que as oferecidas pelo mercado de ações.

Criptomoedas são moedas digitais que possuem sua cotações atualizadas a cada segundo, 24 horas por dia, 7 dias por semana. 

Por ser um mercado ainda relativamente novo, com muito espaço para crescer, as criptomoedas atraem investidores interessados nos ganhos exponenciais. Mas é preciso cuidado antes de colocar o seu dinheiro nesse tipo de ativo.

Neste artigo, você vai entender na prática o que são criptomoedas, quais são as mais famosas e quais cuidados tomar antes de investir.

O que são criptomoedas e como elas funcionam

Falando de forma simplificada, criptomoedas são moedas digitais, que não existem no ambiente físico. 

Mais do que uma moeda de troca e um meio para fazer pagamentos, as criptomoedas carregam tecnologia, porque utilizam a criptografia para proteger os dados e confirmar transações, além de permitir uma verificação muito veloz e descentralizada, um sistema conhecido por blockchain.

A primeira criptomoeda criada foi o Bitcoin, entre 2008 e 2009, dando origem a todo esse mercado. O Bitcoin surgiu com a promessa de permitir pagamentos de forma muito mais ágil, segura e barata do que os meios tradicionais, além de ser um processo mais transparente e centralizado, sem controle de instituições financeiras, como bancos centrais. 

Atualmente, existem mais de 5 mil criptomoedas, que competem entre si para oferecer as melhores funcionalidades e uma tecnologia mais avançada de pagamentos. O preço de cada criptomoeda é basicamente definido pela lei de oferta e demanda. Por ser um mercado completamente livre e descentralizado, os ativos oscilam de forma mais forte, o que resulta em uma alta volatilidade.

Consideradas por muitos uma evolução dos sistemas de pagamentos, as criptomoedas são procuradas por entusiastas da tecnologia e também por especuladores do mercado financeiro, que estão interessados nas possibilidades de ganhos exponenciais. 

Principais criptomoedas em valor de mercado

A seguir, listamos as principais criptomoedas em valor de mercado, em números coletados em 27 de maio de 2020:

1. Bitcoin – US$ 168,5 bilhões

Responsável pelo começo de tudo, o Bitcoin foi a primeira e até hoje é a mais estabelecida criptomoeda do mundo. Diretamente associado à tecnologia blockchain, o Bitcoin ainda é insuperável em termos de preço, base de usuários, liquidez, segurança e valor de mercado. Para se ter uma ideia, o valor de mercado do Bitcoin é três vezes maior do que o valor de mercado somado das outras 9 criptomoedas que compõem o ranking das 10 maiores.

2. Ethereum – US$ 22,9 bilhões

Viabilizada em 2014, a Ethereum é, atualmente, a segunda maior criptomoeda em valor de mercado. Ela nasceu fruto de um financiamento coletivo e tem como destaque, em relação ao Bitcoin, o fato de que permite aos desenvolvedores criar aplicativos descentralizados. Por isso, ela é a mais utilizada nas Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs).

3. Tether – US$ 8,8 bilhões

Chamado de “moeda estável” por alguns investidores em criptomoedas, o Tether tem como principal diferencial se equiparar ao dólar. Atualmente fechando o pódio entre as maiores criptomoedas em valor de mercado, ele não perde as características de uma criptomoeda e ao mesmo tempo é estável em relação ao dólar.

4. Ripple – US$ 8,7 bilhões

A Ripple é uma criptomoeda com uma rede patenteada para pagamentos digitais. Por meio dela, é possível fazer pagamentos em qualquer moeda, o que a torna popular entre os investidores.

5. Bitcoin Cash – US$ 4,2 bilhões

O Bitcoin Cash nasceu de uma cisão do Bitcoin, e tem como principal destaque o fato de permitir transações de blocos maiores, o que torna o processo mais rápido. A exemplo do Ripple, o Bitcoin Cash dá nome a um sistema de pagamentos.

6. Bitcoin SV – US$ 3,4 bilhões

O Bitcoin SV é uma cisão do Bitcoin Cash, criada em 2018 pela empresa nChain. Essa criptomoeda tem o objetivo de resgatar o protocolo original do Bitcoin, buscando aquilo que foi concebido originalmente por Satoshi Nakamoto, o idealizador do Bitcoin.

7. Litecoin – US$ 2,8 bilhões

A Litecoin é uma criptomoeda criada logo após o Bitcoin, com o objetivo de fazer transações mais rápidas do que o Bitcoin, por meio de um novo algoritmo de mineração. Outras criptomoedas, como a Dogecoin e a Feathercoin, nasceram por meio dela.

Cuidados antes de investir em criptomoedas

Agora que você já conhece as principais criptomoedas, é hora de descobrir quais cuidados tomar antes de investir nesse mercado.

Fuja de promessas de ganhos fáceis

Aproveitando a explosão do Bitcoin e de outras criptomoedas nos últimos anos, diversos golpistas surgiram no mercado oferecendo promessas de ganhos fáceis e garantidos para seus clientes. 

Como as investigações provaram depois, todas essas organizações que garantiam ganhos mensais eram organizações criminosas que afirmavam investir em criptomoedas, mas roubavam o dinheiro dos clientes

Portanto, fique longe desses golpistas e entenda que, no mercado de renda variável, como também é o das criptomoedas, é impossível prever ou garantir qualquer tipo de rentabilidade. 

Estude o mercado e saiba o que você está fazendo 

Assim como qualquer outro tipo de investimento, você precisa entender o que está fazendo antes de aplicar. Nas criptomoedas, porém, essa é uma obrigação fundamental, porque as chances de você perder dinheiro no curto prazo são enormes.

Para você ter uma ideia, quem comprou Bitcoin no final de 2017 e vendeu no final de 2018 viu o patrimônio derreter 80%. Já quem comprou no início de 2019 e vendeu no fim do ano acumulou ganhos de 145%

Por isso, apenas o profundo conhecimento das criptomoedas e do funcionamento desse mercado vai permitir que você opere sabendo, de fato, o que está fazendo, quais os riscos e possibilidades de retorno.

Reflita se você realmente precisa de mais risco

As criptomoedas são consideradas um dos ativos mais voláteis do mercado financeiro. Por isso, antes de investir, vale a pena refletir se você está disposto a correr tanto risco e se de fato precisa correr esse risco. 

O mercado de ações, por exemplo, oferece grandes possibilidades de ganhos e também conta com uma alta volatilidade, principalmente quando falamos em small caps. Por isso, é recomendável refletir se você realmente precisa correr mais risco para atingir seus objetivos.

Se for investir, use uma pequena parte do patrimônio

Se você está confiante de que pode dedicar uma parte do seu patrimônio às criptomoedas, a recomendação é começar devagar e usar apenas uma porção ínfima do seu patrimônio, não superior a 5% do capital. 

Uma carteira diversificada é a melhor maneira de proteger o seu patrimônio em busca de ganhos de longo prazo. Assim, você diminui sua exposição a riscos de ativos específicos e consegue dormir tranquilo, sabendo que não está com “todos os ovos na mesma cesta”. 

Se você está escolhendo ativos para compor sua carteira, assine a Capital Research e tenha acesso a relatórios com recomendações de especialistas no mercado financeiro. Dessa maneira, você consegue levar seus investimentos ao próximo nível.

A newsletter que te ajuda a investir melhor seu tempo e dinheiro

Assine a Capital Now e receba as notícias e as análises dos assuntos que impactam o seu bolso. É grátis!

Deixe seu e-mail

Recomendados

Investimentos

Investidor de risco: o que é e qual a sua importância para o mercado?

Saiba o que é um investidor de risco e entenda qual o papel que ele desempenha ...

1 ano atrás

Investimentos

Como fazer uma análise de risco nos investimentos

Investimentos envolvem riscos, mas a análise desses riscos pode ...

1 ano atrás

Investimentos

Gestão de riscos financeiros: o que é e como implementar

A gestão de riscos financeiros é essencial para a sobrevivência de qualquer ...

10 meses atrás